A ABHR esclarece: Mídias oficiais da ABHR

Seguem as mídias OFICIAIS da ABHR:

Sítio da ABHR: www.abhr.org.br e Sitio da Revista PLURA – Revista de Estudos de Religião da ABHR: http://www.abhr.org.br/plura/ojs/index.php/plura/index

Página do Facebook: https://www.facebook.com/abhroficial/ e Grupo de Diálogos do Facebook: https://www.facebook.com/groups/230990696938909/

Canal da ABHR no Youtube

E-mail: presidente@abhr.org.br (em breve a nova Direção Executiva, eleita em Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 23 de maio de 2019 no Centro de Ciências Jurídicas, durante nosso 3. Simpósio Nordeste, criará outros e-mails de contato).

A ABHR agradece a todas as pessoas que colaboram com a associação, e convida a todes para prosseguirmos com nossos bons trabalhos.    #ABHRresiste

A ABHR DIVULGA: ATA da ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (2019) e sua NOVA DIREÇÃO EXECUTIVA

Agradecendo o esmero e empenho da Direção Executiva da Gestão 2017-2019, composta por:

  • Presidência: Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Filho (UFPB)
  • Secretaria Geral: Leila Marrach Basto de Albuquerque (UNESP/Assis) / Carlos André Macêdo Cavalcanti (UFPB)
  • Tesouraria: Márcia Maria Enéas Costa (UFPB) / Cristine Gorski Severo (UFSC)
  • Secretaria de Divulgação: Bruna Marques Cabral (UFRRJ) / Ana Luíza Gouvêa Neto (UFJF),

A ABHR divulga e dá as suas melhores boas-vindas à sua NOVA Direção Executiva, eleita na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de maio de 2019 no Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba (CCJ / UFPB), durante o 3. Simpósio da ABHR Nordeste (Religião, Direitos Humanos e Laicidade: Resistências, Diversidades e Sensibilidades).

Nossa nova Direção Executiva (Gestão Direitos Humanos e Diversidades – 2019-2021), eleita por unanimidade, é composta por

  • Presidência: Zuleica Dantas Pereira Campos (UNICAP)
  • Secretaria Geral: Sandro Guimarães de Salles (UFPE)
  • Tesouraria: Tiago Callou (UFPB)
  • Secretaria de Divulgação: Flávia Abud Luz (UFABC)

Recebam as melhores BOAS-VINDAS da ABHR, na certeza de que farão um excelente trabalho.

Segue ATA da ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA realizada em 23 de maio de 2019 no Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba (CCJ / UFPB). 

Ata ABHR – Assembleia Geral Extraordinária 2019

Lembramos que até esta Assembleia (aliás, até o dia desta postagem) não havia Ata da Assembleia Geral Ordinária realizada durante o último Simpósio Internacional da ABHR.

Segue aqui Carta de Patricia Fogelman à Assembleia Geral Extraordinária 2019, mencionada na Ata.

A ABHR DIVULGA: Carta da Professora Patrícia Fogelman (lida na Assembleia Geral Extraordinária, Centro de Ciências Jurídicas da UFPB, 23 / 05 / 2019)

Segue o conteúdo de carta da Professora Patrícia Fogelman (CONICET/Argentina) em que a mesma expressa, dentre outros assuntos, sua desistência em relação à sua indicação à Presidência da Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR).

A ABHR manifesta seu pesar pelos motivos da desistência e extende sua solidariedade à Professora Patrícia Fogelman.

Carta de Patricia Fogelman à Assembleia Geral Extraordinária 2019 

A ABHR DIVULGA: Ata da Assembleia Geral Extraordinária (Centro de Ciências Jurídicas, UFPB, 23/05/2019)

Ata ABHR – Assembleia Geral Extraordinária 2019

ASSEMBLEIA GERAL ABHR 2019
ATA – 23/05/2019
João Pessoa/PB

Às 18:33h foi realizada a primeira convocação para dar-se inicio a Assembleia Geral Extraordinária. Esta Assembleia Nacional foi convocada com mais de três meses de antecedência juntamente com todas as primeiras informações colocadas no site www.abhr.org.br a respeito do 3º Simpósio ABHR Nordeste.
Seguindo o Estatuto Social da ABHR artigo 22, inciso 1º, foi feita esta primeira convocação para identificar se havia dois terços de pessoas associadas. Às 19:10h foi feita a segunda chamada, conforme prevê o Estatuto Social da ABHR, que de acordo com o artigo 22, inciso 2º “em segunda convocação, meia hora depois, com a presença de qualquer número de associados”.

Dando início à Assembleia Professorx Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Fº. (UFPB), como representante da ABHR se posicionou como presidente da Assembleia informando na ocasião que “esta não é uma Assembleia regional, mas uma Assembleia Extraordinária Nacional”. Como proposta de primeira deliberação, foi colocado o nome de Flávia Abud Luz (UFABC) e o nome de José Eloi Nascimento dos Santos (UFPE) para assessorar a Assembleia nas funções de secretaria, tendo em vista a ausência dos membros oficiais. Colocado em votação, foi aprovado por unanimidade.

Dando sequência professorx Eduardo explicou a diferença entre Diretoria Geral e Diretoria Executiva, informando quais são os cargos que compõem as mesmas. Informou também que a Assembleia tem por fim eleger a Diretoria Geral e a Diretoria Executiva, discutir onde será realizado o próximo simpósio nacional/internacional, tendo como primeira sugestão sua realização no Nordeste. Partindo para o primeiro ponto de pauta prof. Eduardo realizou a
contextualização da última Assembleia Geral, conforme descrito a seguir:
Contextualização da última Assembleia Geral Ordinária (http://abhr2018.paginas.ufsc.br/assembleia-
geral/ ) realizada em 15 de outubro (Dia dx Professorx) de 2018 em Florianópolis, durante o 3. Simpósio Internacional / 16. Simpósio Nacional da ABHR (“Política, Religião e Diversidades: Educação e Espaço Público”). Durante a mesma, foram eleitas 4 pessoas para a Direção Executiva: Tainah Biela Dias (UMESP) para a Presidência, Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Fº. (UFPB) para a Secretaria Geral, Fernanda Coelho (que ganhou o primeiro Prêmio ABHR de Teses, Dissertações e TCCs, na categoria Dissertações), da UMESP, para a Tesouraria, e Bruna Marques Cabral (UFRRJ) para a Secretaria de Divulgação. Fernanda, por motivos de saúde (hemodiálise, por exemplo) e sua companheira Tainah, que precisa acompanhá-la algumas vezes por semana a tratamento médico, tiveram de renunciar por essas razões dias depois. Foram indicadas duas pessoas para suprirem tais cargos, a
serem como manda o Estatuto ratificadas por Assembleia. Eduardo indicou Patricia Fogelman
(Conicet/Argentina) para a Presidência e Bruna indicou Philippe Moreira (UFF) para a Tesouraria.

Todavia, cabe mencionar: não foi feito o registro de Ata dessa Assembleia (como prevê, por exemplo, o Inciso 2 do Artigo 7 do Estatuto, relativo às competências da Secretaria Geral (“Secretariar as Assembleias Gerais e as reuniões da Diretoria Geral e/ou da Diretoria Executiva, supervisionando a redação das respectivas atas, procedendo a leitura das mesmas e assinando-as, juntamente com o Presidente, após a sua aprovação”).   Sendo assim, sem uma Ata, fica a indagação: teria ou não essa Assembleia legitimidade?  Se não houver, como foi questionado por pessoas associadas presentes no evento, é necessário eleger a chapa inteira da direção executiva. Foi proposto a Assembleia considerar se a última Assembleia realizada em outubro de 2018 seria ou não válida por não haver registro em ata – em votação foi aprovada a ilegitimidade da Assembleia anterior por não haver registro por maioria das pessoas presentes.

Como terceiro ponto de pauta, foi feito ciência a plenárias das dificuldades impostas pela diretoria vigente até então, em apoiar o simpósio NE. Salientou que alguns problemas advieram das indicações de diretoria realizada a partir de novembro de 2018. Dentre eles, dois afetaram direta e negativamente o 3º Simpósio da ABHR Nordeste (Religião, Direitos Humanos e Laicidade: Resistências, Diversidades e Sensibilidades), realizado na UFPB entre 20 e 24 de maio de 2019. Um deles foi o não envio de material restante do 3. Simpósio Internacional / 16. Simpósio Nacional da ABHR e a não efetivação do repasse para a da passagem da palestrante principal e indicada para assumir a função de presidenta, a professora Patrícia Fogelman, após a renúncia da presidenta eleita em Assembleia Geral de 2018, por motivos de saúde. Na sequência, foi lida a carta de esclarecimento, enviada pela profª Patrícia, que solicitou que a mesma fosse lida em assembleia (carta em anexo) e foi
colocado como ponto de deliberação a plenária a sugestão de ressarcimento do valor que a Profª Patrícia gastou com o cancelamento da viagem, totalizando R$ 1.670,00 e que esse gasto saia do caixa da ABHR Nacional. – colocada em votação, foi aprovada por maioria presente.
Foi também deliberado que todo dinheiro da ABHR-NE seja encaminhado para a mesma, para cobrir os gastos posteriores ao evento do 3º simpósio da ABHR-NE – colocada em votação, foi aprovada por maioria presente. Na sequencia, foi sugerida a votação e deliberação pela assembleia dos tópicos a seguir:
a) que o material do último Simpósio Internacional fique sob a salvaguarda de Patricia Leonor Martins (UFSC), que o emitirá somente para o próximo Simpósio Internacional, ou, se deliberado pela Direção Executiva, para o próximo Simpósio Sul. A mesa fica também como mantenedora da memória da ABHR visto o material de Florianópolis ter toda a memorabilia da Associação. A salvaguarda ficará até a realização do próximo Simpósio Internacional, ou pelo tempo acertado entre o mesmo e a Direção Executiva – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
b) que o material restante do Simpósio Nordeste atual fique sob a salvaguarda de Joel (UFPB) que fica como mantenedor da memória da ABHR Nordeste até a realização do próximo Simpósio Internacional, ou pelo tempo acertado entre o mesmo e a Direção Executiva – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
c) que qualquer capital excedente desse Simpósio da ABHR Nordeste fique na caixa da ABHR Nordeste, sendo utilizado para produção bibliográfica da mesma, na forma de gastos com produção e impressão de livros – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
d) foi reforçado que os gastos de Patricia Fogelman que excederam os valores que a ABHR lhe depositou (R$ 3 mil) sejam ressarcidos integralmente à mesma, através do caixa da ABHR Nacional – votado e aprovado anteriormente.
e) que a Comissão de Direitos Humanos, criada em 2016 e composta por 5 pessoas, receba o novo nome de Comissão de Direitos Humanos e Diversidades, demonstrando assim o caráter identitário da ABHR. Essa Comissão deve constar da nova versão do Estatuto – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
f) criação da Comissão Jurídica, composta por 3 pessoas, afim de auxiliar em todos os assuntos em que for necessária consulta ou intervenção jurídica, a ser indicada pela diretoria executiva – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
g) criação da Comissão Artística do Fazendo Arte da ABHR, para dar robustez à criação e produção de arte como resistência académica e política em nossos eventos e atividades – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
h) que tais comissões tenham, além de caráter nacional, cunho regional, atendendo assim às especificidades regionais – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
i) é preciso reformular o Estatuto. Para tal, estabelecer Comissão ad hoc, a ser encaminhado às pessoas associadas antes que a Assembleia o legitime – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
j) cessação do pagamento mensal da colaboradora comissionada Arielle Rosa Rodrigues. A mesma pode ser chamada posteriormente, se necessário e desejado, para auxiliar nos serviços do próximo simpósio internacional. Registra-se que é necessário que ela conclua os serviços aos quais foi contratada, referentes ao pós-evento do ultimo simpósio internacional (como a inserção dos textos completos nos Anais online da Revista PLURA) – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
l) é necessário que todo o material bibliográfico da ABHR, atrasado e não publicado, e também do material que a Paulinas deixou de publicar, seja publicado. Assim, é preciso que se regularize, como decidido nas gestões anteriores, todo o material bibliográfico da ABHR – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.

m) salientar em todos os materiais oficiais da ABHR seu caráter de entidade não  governamental, sem fins lucrativos, e de defesa dos Direitos Humanos e de todas as diversidades – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
n) é necessário que o Fórum Social (momentos de adensamento de reflexões sócio-políticas e encaminhamentos), assim como a ABHRinha (atividades lúdicas de construção da cidadania para crianças e adolescentes), ganhem caráter estatutário – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
o) evidenciar que as Assembleias Gerais só podem ser convocadas por Direção Executiva ou Conselho Fiscal. O Simpósio da ABHR Sudeste agendou uma Assembleia Extraordinária (26 de julho de 2019) não mencionando se é de caráter regional ou geral. Tendo em vista que a Assembleia que produziu a presente Ata se caracteriza como assembleia geral e legal, deixamos claro que a Assembleia convocada pelo Simpósio da ABHR Sudeste é de caráter regional. Foi lido o art. 20 do estatuto para as pessoas presentes – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
Após lido os pontos acima e devidamente aprovados, profx. Eduardo sugeriu que o local de
realização do próximo Simpósio Internacional/Nacional da Associação (2020), seja no Nordeste ou em segundo caso na região Norte. Professorx Eduardo informou que em conversa com o Profº Sandro Guimarães de Salles (UFPE) e a professora Zuleica Dantas (UNICAP) se dispôs a conduzir o processo para que Recife sedie o evento – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
Na sequencia, levantou a possibilidade de realização de simpósio internacional da ABHR fora do país, em conjunto com associações e/ou instituições estrangeiras.

Foi sugerido na assembleia que em relação ao processo de internacionalização, fizéssemos o possível para a realização de Simpósio Latino Americano da IAHR (Associação Internacional de História das Religiões) no Brasil em 2021 e do Simpósio Mundial de História das Religiões (também promovido pela IAHR) em 2025, também no Brasil – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
Foi sugerido a realização de encontro ou simpósio Online da ABHR – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.
Também foi lançada a proposta que em anos de Simpósio Internacional/Nacional seja possibilitada a realização de encontros estaduais (em semestre diferente daquele em que for realizado o Internacional/Nacional) – colocado em votação, foi aprovado pela maioria dos presentes.

Na sequência, foi realizado o processo eleitoral para a composição da Diretoria Executiva e da Diretoria Geral. Foi informado que em 20 de maio de 2018 que a secretaria do Simpósio recebeu e-mail indicando o interesse de Bruna Cabral em assumir a Presidência. A chapa estava composta por 3 pessoas e também Eduardo Meinberg Maranhão, incluídx (sem aviso prévio) na chapa no cargo de Secretaria Geral (que subentende-se, já era o cargo de eleição em 2018). Em 22 de maio, Eduardo respondeu:

“Entendo que já estou como secretária geral da associação por conta da última reunião realizada em Florianópolis, em 2018, e dessa forma, não estou inscrita nessa chapa.  Caso as/os atuantes colegas Bruna, Philippe e Fernanda entendam ser necessário apresentar uma chapa completa para a direção executiva nacional, por gentileza fiquem à vontade para substituir o meu nome. De todo modo, gostaria de continuar atuando e trabalhando como tenho feito na ABHR nesses anos. Me mantenho disponível para atuar de alguma forma possível com a diretoria a ser eleita em nossa próxima Assembleia Geral (amanhã ). Com votos de sucesso e que a ABHR sempre ganhe com os trabalhos conjuntos”.
Colocou-se em votação se a Assembleia aceitaria chapas incompletas. Sendo lido na sequencia o Art. 4 §2º, o profx. Eduardo sugeriu que na reformulação estatutária, este artigo tivesse um texto mais preciso.
Foram apresentadas as chapas 1 e 2 e depois colocado em votação se a chapa 1 seria validada ou não por estar incompleta, sendo impugnada por votação unanime, de acordo com o que reza o estatuto da ABHR – colocado em votação, foi aprovado pela maioria das pessoas presentes.

As chapas estavam compostas conforme descritas a seguir:

Chapa 1: Presidência: Bruna Marques Cabral (UFRRJ) – Tesouraria: Phillipe Moreira (UFF) – Secretaria de Divulgação: Fernanda Moura (UFRJ), faltando portanto, um nome para a Secretaria Geral.

Chapa 2: Presidência: Profa. Zuleica Dantas Pereira Campos (UNICAP) – Secretaria Geral: Prof. Sandro Guimarães de Salles (UFPE) -Tesouraria: Tiago Alves Callou – Secretaria de Divulgação: Flávia Abud Luz – foi colocado em votação, a chapa 2 que estava completa foi eleita por unanimidade.
Segundo o estatuto, no Capítulo III – Da Diretoria Geral, Art. 4, Parágrafo 2, “os membros da Diretoria Executiva são eleitos pela Assembleia Geral, em chapa completa, registrada perante a Secretaria Geral, até o inicio da Assembleia Geral, para um mandato de 2 (dois) anos, admitida uma reeleição para o período subsequente”.

Foi colocado em votação o encaminhamento de todo financeiro para a nova tesouraria e aprovado por unanimidade. À nova tesouraria eleita.

Proposta de encaminhamento feita por Maíra de Oliveira Dias de que os excedentes de caixa sejam encaminhados para as diretorias regionais – colocado em votação, foi aprovado por unanimidade.

O Profx. Eduardo informou sobre a Constituição de equipe de direção regional da mesma forma que a diretoria geral. Também foi colocado em votação que cada região componha sua diretoria nas assembléias regionais – foi aprovado por unanimidade.
Foram informadas e colocadas em votação as indicações das Coordenações Regionais: Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Também informados os simpósios em andamento.
ABHR Norte: Coordenação de Georgia Pereira Lima (UFAC). Havia sido indicada e foi aprovada a Direção da ABHR Norte. Além da Coordenadora, constituiu-se assim: Para Secretaria Geral, Diego Omar (UEA); Tesouraria: Andre Dioney (UFOPA), e Secretaria de Divulgação: Marcus Vinicius Freitas Reis (UNIFAP). As indicações foram votadas e aprovadas pela maioria dos presentes. Foi divulgado o evento da referida regional: 2. Simpósio da ABHR Norte: Religiões e religiosidades na Amazônia: dinamismos e resistências. De 22 a 25 de outubro de 2019, UFOPA, Santarém, PA.
ABHR Nordeste: Coordenação de Eduardo Meinberg Maranhão (UFPB). Foi indicado o Professor Gilbraz Aragão (UNICAP) para constituir de alguma forma a equipe. Foram indicadas para a Comissão de Direitos Humanos e Diversidades da ABHR Nordeste: Ana Grétel (UFRN), Maira Dias (UFPB), Yohana Maria Monteiro Augusto de Alencar (Unileão). As indicações foram votadas e aprovadas pela maioria dos presentes. O 3. Simpósio da ABHR Nordeste, terminando no dia 24 de maio de 2019, tem como tema Religiões, Direitos e Laicidade: resistências, diversidades e sensibilidades; sendo realizado entre 20 a 24 de maio de 2019, UFPB, João Pessoa, PB.
ABHR Centro-Oeste: Foi indicado para a coordenação Saulo Conde Fernandes (UFMS). A indicação foi votada e aprovada pela maioria dos presentes. Divulgado o evento da referida regional: 1. Simpósio da ABHR Centro-Oeste: O céu, inferno e além: o pós-morte na história das religiões. 17 a 19 de junho de 2019, UFG, Cidade de Goiás/GO.
ABHR Sudeste: Foram indicadas duas pessoas: Stela Guedes Caputo (UERJ), indicada por Bruna Marques Cabral (UFRRJ) por e-mail, e Flávia Amaro (UFJF), indicada por pessoas presentes. Foi votado pela Assembleia que Flávia Amaro (UFJF) assumisse a coordenação, já que o próximo Simpósio Sudeste já será no Rio de Janeiro, e que em 2021 o evento seja realizado em outro estado (Espírito Santo, preferencialmente). Foi indicado que a professora Stela seja convidada para a Comissão Científica da ABHR – tudo isso foi colocado em votação e eleito pela maioria dos votos. O próximo simpósio Sudeste tem como tema Laicidade e Pluralismo: Educação, Religiosidade e Direitos Humanos. O evento será realizado entre 24 e 26 de julho na UERJ, Rio de Janeiro (RJ).
ABHR Sul: Foi indicada Chaline de Souza (UFSM) para a Coordenação, e comentada que a mesma está preparando o próximo simpósio da ABHR Sul na UNISINOS, localizada na cidade de São Leopoldo (RS), a ser realizado em novembro de 2019. O tema deverá acolher as diversidades, educação e Direitos Humanos – colocado em votação e eleito pela maioria dos votos.

Em seguida foi indicada a Comissão Científica, formada por Ana Rosa Clocet (PUC-Camp), Leila Marrach Basto de Albuquerque (UNESP-Assis), Patricia Fogelman (CONICET-Buenos Aires), já indicadas e convidadas, e Sandra Duarte de Souza (UMESP) e Stela Guedes Caputo (UERJ), ainda a serem convidadas – isso foi colocado em votação e eleito pela maioria dos votos.

Para a Coordenação da Comissão de Direitos Humanos e Diversidades, foi indicadx Eduardo Meinberg Maranhão (UFPB), que constituirá a comissão, que será interligada às comissões regionais –foi colocado em votação e eleito pela maioria dos votos.

Também foi eleito o Conselho Fiscal, formado por Eloi Santos (UFPE), Joel Barboza Soares (UFPB) e José Wellington Ribeiro dos Santos (UFPE) – isso foi colocado em votação e
eleito pela maioria dos votos.

Para a Comissão Editorial, foram indicadas Clarissa de Franco (UFABC) e Patricia Leonor Martins (UFSC). O terceiro cargo será indicado pela Diretoria Geral – colocado em
votação e eleito pela maioria dos votos. Para a Comissão de Redação (Plura, Revista de Estudos de Religião da ABHR) foi indicado Ismael Vasconcelos (UFJF), que convidará duas pessoas para acessorá-lo – colocado em votação e eleito pela maioria dos votos. As demais comissões e cargos faltantes serão indicados pela Diretoria Geral – colocado em votação e eleito pela maioria dos votos.
Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Fº. (UFPB) declarou encerrada a Assembleia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR).
Sem mais para o momento, nós, Flávia Abud Luz (UFABC) e José Eloi Nascimento dos Santos (UFPE), secretária e secretário ad hoc, respectivamente, declaramos que transcrevemos e lemos essa ata, assinando-a. Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Fº. (UFPB), que presidiu essa Assembleia Geral Extraordinária, também assina essa ata. Também assinam a Ata a Presidenta eleita, Profa. Zuleica Dantas Pereira Campos (UNICAP) e o Secretário Geral eleito Prof. Sandro Guimarães de Salles (UFPE).
A Ata foi lida e aprovada por unanimidade pela Assembleia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) às 22h33minutos.

Baixar ATA em PDF

Segue aqui Carta de Patricia Fogelman à Assembleia Geral Extraordinária 2019, mencionada na Ata.

A ABHR APOIA: Nota de Repúdio a declarações do Ministro da Educação e do Presidente da República sobre as Faculdades de Humanidades (Filosofia e Sociologia)

A ABHR APOIA E SUBSCREVE: NOTA DE REPÚDIO A DECLARAÇÕES DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO E DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA SOBRE AS FACULDADES DE HUMANIDADES (FILOSOFIA E SOCIOLOGIA)

A Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia (ANPOF) e associações abaixo mencionadas repudiam veementemente as falas recentes do atual presidente da república e de seu ministro da educação sobre o ensino e a pesquisa na área de humanidades, especificamente em filosofia e sociologia.

As declarações do ministro e do presidente revelam ignorância sobre os estudos na área, sobre sua relevância, seus custos, seu público e ainda sobre a natureza da universidade. Esta ignorância, relevável no público em geral, é inadmissível em pessoas que ocupam por um tempo determinado funções públicas tão importantes para a formação escolar e universitária, para a pesquisa acadêmica em geral e para o futuro de nosso país.

O ministro Abraham Weintraub afirmou que retirará recursos das faculdades de Filosofia e de Sociologia, que seriam cursos “para pessoas já muito ricas, de elite”, para investir “em faculdades que geram retorno de fato: enfermagem, veterinária, engenharia e medicina”. O ministro apoia sua declaração na informação de que o Japão estaria fazendo um movimento desta natureza.

De fato, em junho de 2015 o Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia do Japão enviou carta às universidades japonesas recomendando que fossem priorizadas áreas estratégicas e que fossem cortados investimentos nas áreas de humanidades e ciências sociais.

Após forte reação das principais universidades do país, incluindo as de Tóquio e de Kyoto (as únicas do país entre as cem melhores do mundo), e também da Keidanren (a Federação das Indústrias do Japão) – que defendeu que “estudantes universitários devem adquirir um entendimento especializado no seu campo de conhecimento e, de forma igualmente importante, cultivar um entendimento da diversidade social e cultural através de aprendizados e experiências de diferentes tipos” – o governo recuou e afirmou que foi mal interpretado.

A proposta foi inteiramente abandonada quando o ministro da educação teve de renunciar ao cargo, ainda em 2015, por suspeita de corrupção. Da forma como o ministro Abraham Weintraub apresenta o caso trata-se, portanto, de uma notícia falsa.

O ministro foi seguido pelo presidente, que mencionou que o governo “descentralizará investimentos em faculdades de filosofia”, sem especificar o que isto significaria, mas deixando claro que se trata de abandonar o suporte público a cursos da área de humanidades, nomeadamente os de Filosofia e de Sociologia. O presidente indica que investimentos nestes cursos são um desrespeito ao dinheiro do contribuinte e, ao contrário do que pensa a Federação das Indústrias do Japão, afirma que a função da formação é ensinar a ler, escrever, fazer conta e aprender um ofício que gere renda.

O ministro e o presidente ignoram a natureza dos conhecimentos da área de humanidades e exibem uma visão tacanha de formação ao supor que enfermeiros, médicos veterinários, engenheiros e médicos não tenham de aprender sobre seu próprio contexto social nem sobre ética, por exemplo, para tomar decisões adequadas e moralmente justificadas em seu campo de atuação. Ignoram que os estudantes das universidades públicas, e principalmente na área de humanidades, são predominantemente provenientes das camadas de mais baixa renda da população. Ignoram, por fim, a autonomia universitária, garantida constitucionalmente, quando sugerem o fechamento arbitrário de cursos de graduação.

Uma das maiores contribuições dos cursos de humanidades é justamente o combate sistemático a visões tacanhas da realidade, provocando para a reflexão e para a pluralidade de perspectivas, indispensáveis ao desenvolvimento cultural e social e à construção de sociedades mais justas e criativas.

Seguiremos combatendo diuturnamente os ataques à universidade pública e aos cursos de humanidades movidos pelo ressentimento, pela ignorância e pelo obscurantismo, também porque julgamos que esta é uma contribuição maiúscula da área de humanidades para o melhoramento da sociedade à nossa volta.

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR)

Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais (ABECS)
Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE)
Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR)
Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE)
Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE)
Sociedade Brasileira de História da Ciência (SBHC)
Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd)
Associação Brasileira de Estudos Sociais das Ciências e das Tecnologias (ESOCITE)

União Latina de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (Ulepicc-Brasil)
Associação Nacional de História  (ANPUH)
Centro de Investigaciones Filosóficas (CIF/Argentina)
Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP)
Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centros de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)
ODARA – Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Cultura, Identidade e Diversidade
Associação Brasileira de Antropologia (ABA)
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde – Cebes
Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC)

Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR)
Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR)

Asociación Costarricense de Filosofía (Acofi)
Associação Brasileira de Psicologia Política (ABPP)
Sociedade Brasileira de Ensino de Química (SBEnQ)
Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (Anfope)
Associação dos Professores da UDESC (Aprudesc – ANDES-SN)
Fórum Nacional dos Coordenadores Institucionais do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (FORPIBID)
Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música (ANPPOM)
Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP)

A ABHR convoca: ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ABHR (2019), e a ABHR NE lança Carta pela Diversidade Religiosa

Associação Brasileira de História das Religiões ( ABHR ) convoca as pessoas regularmente associadas a participarem de Assembleia Geral Extraordinária (Assembleia Nacional) a ser realizada nas dependências do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba ( UFPB ) no dia 23 de maio de 2019, às 18h00 (em primeira chamada).

Durante a Assembleia Geral Extraordinária será decidida: a) Direção Executiva e Direção Geral da ABHR, Comissão Fiscal da ABHR, demais Comissões da ABHR; b) sede do próximo Simpósio Internacional / Nacional; c) outros assuntos

Sobre as Assembleias Gerais Ordinárias e Extraordinárias da ABHR, acessar o Capítulo X do

Novo Estatuto Aprovado na Assembléia do XII Simpósio da ABHR (2011) 

 

No Dia Nacional  de Combate  a Intolerância Religiosa, a Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) e a Comissão de Direitos Humanos da ABHR Nordeste lançam uma carta pelo respeito à diversidade religiosa e a laicidade do Estado.

A ABHR divulga: Nota de solidariedade da UFPB ao MST

A ABHR apoia a nota do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB, em solidariedade ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e aos familiares de José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino, assassinados em 8/12/18 no acampamento Dom José Maria Pires (Paraíba). E exijimos a apuração desse crime e posterior punição dos culpados pelo assassinato dos trabalhadores rurais.

A ABHR parabeniza: A Associação de Cientistas Sociais de Religião do Mercosul pela nova gestão

A ABHR cumprimenta as novas autoridades da Associação de Cientistas Sociais de Religião do Mercosul (ACSRM), associação parceira da ABHR, representada na gestão 2018-2020 por
Rodrigo Toniol (Presidente),
Luis Bahamondes González (Vicepresidente),
Brenda Carranza (Secretária Geral),
Mariela Mosqueira (ProSecretária)
Valentina Pereyra (Tesoureira).
Contem  com o apoio e colaboração da ABHR.

A ABHR lança: Campanha Nacional pela Laicidade do Estado

A ABHR lança em 29 de outubro de 2018 a Campanha Nacional pela Laicidade do Estado. Nossas primeiras ações foram a confecção da Carta da ABHR pela Laicidade do Estado e a Campanha (petição) via Avaaz.org.

O tema refletirá em nossos Simpósios Regionais de 2019, que tratarão da laicidade, diversidades e Direitos Humanos.

Novas ideias são sempre bem-vindas: “vamos precisar de todo mundo, pra banir do mundo a opressão, para construir a vida nova vamos precisar de muito amor”. Sigamos todes juntes. #ABHRresiste #ABHRéamor

Para participar da Campanha Nacional pela Laicidade do Estado, proposta pela ABHR, sugerimos a prévia leitura da Carta da ABHR pela Laicidade do Estado

a) as pessoas e entidades interessadas podem acessar este link e assinar

b) observatórios, núcleos e laboratórios de pesquisa, Programas de Pós-graduação, Departamentos de graduação e outras entidades brasileiras e estrangeiras interessadas em assinar a Carta da ABHR pela Laicidade do Estado e ingressar na Campanha devem encaminhar e-mail à divulgacao.abhr@gmail.com

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) 

A ABHR divulga: Carta da ABHR pela Laicidade do Estado

Carta da ABHR pela Laicidade do Estado
28 de outubro de 2018

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) respeita o resultado das eleições presidenciais ocorridas em 28 de outubro de 2018 e que elegeram Jair Messias Bolsonaro (Partido Social Liberal – PSL) como o próximo Presidente da República, e deseja ao mesmo um governo verdadeiramente democrático, laico, plural e inclusivo.

No entanto, externamos profunda preocupação com alguns dos primeiros pronunciamentos do Presidente eleito, que sinaliza o rompimento do princípio da laicidade do Estado. O Presidente eleito iniciou seu pronunciamento com a passagem bíblica de João 8:32 (“conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”) e apresenta-se como missionário de Deus. Minutos antes, em cerimônia pública, convidou o Senador evangélico Magno Malta (Partido da República – PR) a pronunciar-se. Além de ungir Bolsonaro, este fez notar que o mesmo foi posto no mando da nação por Deus. O slogan da campanha presidencial também causa preocupação: “Deus acima de todos”.

Em uma sociedade verdadeiramente inclusiva, democrática, plural e laica, o respeito à diversidade de crenças (e também de descrenças, ao ateísmo e ao agnosticismo) deve ser devidamente assegurado. É urgente que a laicidade do Estado, prevista pela nossa Constituição Federal, seja devidamente assegurada. Por uma sociedade realmente livre, democrática, progressista e acolhedora a todas as diferenças e diversidades, reivindicamos o respeito à devida separação entre Igreja e Estado.

Através desta carta informamos o lançamento da Campanha Nacional pela Laicidade do Estado, pedindo que as entidades interessadas em assinar a carta – que pede que a Laicidade do Estado seja devidamente garantida – acessem nosso sítio www.abhr.org.br.

Por fim, para além da aparente dissolução de um Estado laico que garanta o devido respeito à liberdade de crenças, ainda nos preocupa as declarações de Jair Bolsonaro antes de ser eleito acerca de temas como procedência regional, sexualidade, raça/etnia e gênero. Faz-se necessário observar que o Presidente eleito governe para todas as pessoas de forma totalmente justa, equânime e igualitária.

Mantendo-se aberta aos diálogos necessários, cordialmente,

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR)

#ABHRresiste    #ABHRéamor

______

Observatórios, núcleos e laboratórios de pesquisa, Programas de Pós-graduação, Departamentos de graduação e outras entidades brasileiras e estrangeiras interessadas em assinar a Carta da ABHR pela Laicidade do Estado e ingressar na Campanha devem encaminhar e-mail à divulgacao.abhr@gmail.com

Mais notícias sobre a Campanha Nacional pela laicidade do Estado, proposta pela ABHR, encontram-se neste link

Carta da ABHR contra Bolsonaro e pela resistência democrática

Mediante as expectativas alarmantes que nos tomam neste momento, em que as condições da construção e manutenção do Estado Democrático de Direito no Brasil se vêem usurpadas por um candidato que insiste em ressuscitar o peso de um passado indigno, que macula nossa história, enquanto “promete a salvação”, a ABHR vem juntar-se às vozes emergidas de representantes da comunidade acadêmica e da sociedade civil, contra a eleição de Jair Bolsonaro! Um candidato que se legitima numa polarização construída e alimentada a partir de critérios subjetivos e mesmo irracionais, do ódio ao diferente, que vem alimentando o medo e a desesperança de milhares de pessoas, induzidas a desacreditarem nas possibilidades de um futuro qualitativamente melhor que “tudo que já foi um dia”.

Em que momento a democracia, a liberdade e a igualdade, estas condições outrora reivindicadas como imprescindíveis à busca universal pela felicidade –  último fim interno do homem, diria Platão, conquistada pelo bem – deixaram de ser o parâmetro das ideias, discursos e ações movidos pelo ódio e pela intolerância dos 46% dos eleitores, que no primeiro turno das eleições presidenciais se posicionaram a favor do estado de exceção, da tortura, da memória vergonhosa de 1964? Seria de fato este resultado, que agora ameaça fazer vingar um sombrio futuro, fruto da livre escolha representada pelo voto, ou mais um sintoma da manipulação e da alienação no nosso tempo,  onde o fake virou fato?

Não é a primeira vez que nos identificamos pela negatividade. Mas, por alguma circunstância singular da nossa história, quando as vozes que contrariam os fundamentos éticos da nossa sociedade política pairam como um espectro sobre nossas cabeças, confundem nossas mentes, endurecem nossos corações, sequestram nossas almas, torna-se indispensável nos manifestarmos por aquilo que não somos e não admitimos ser: #EleNão.

ABHR repudia todo ato de intolerância, desrespeito pela diversidade que configura o ser humano, seus direitos de livre escolha, busca e expressão de gênero, crença, cultura, etnia. Repudia todo ato de desamor, que se volta contra o próprio ser humano e sua marcha rumo a uma sociedade mais sábia nos seus fundamentos, justa nas suas ações, plural na sua representação.

Se o que nos resta é não estarmos vencidxs, levantemos nossas mãos setenta, oitenta, noventa… e recomecemos! Numa grande marcha em nome da democracia, da justiça, da liberdade. Essa “palavra que o sonho humano alimenta”, que “não há quem explique e ninguém que entenda”, a não ser quando nos vemos ameaçados de perdê-la. Então, que  este manifesto não seja apenas mais “um grito, um desabafo”…, mas se converta numa ação, capaz de mobilizar nossa força mais criativa, positiva, transformadora, “contra a arquitetura da destruição”, que se projeta como um espectro sobre a democracia, o estado democrático de direito, a liberdade e o direito de expressarmos “a dor e a delícia de sermos quem somos”.

23 de outubro de 2018

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR)

A ABHR divulga: Carta das Universidades em defesa da democracia

Diante deste momento perigoso para a nossa democracia, a Associação Brasileira de História das Religiões se posiciona contra o candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, devido à sua apologia a tortura e torturadores, no qual promove intolerância, ódio e discriminação em suas mais nefastas formas. Portanto, convidamos todxs xs sócixs e simpatizantes da ABHR acessarem a Carta das Universidades em defesa da democracia.

#ABHRresiste #ABHRéamor

Comunidade universitária lança carta em defesa da democracia.

Nós, professores, estudantes e funcionários das universidades brasileiras, desejamos, nesta hora perigosa, ressaltar que a democracia, o livre pensar, a autonomia do ensino, são cláusulas pétreas das quais não abriremos mão em nenhuma hipótese’. Professores, estudantes e funcionários de um amplo espectro de posições políticas lançaram hoje uma carta que reafirma “os valores fundamentais da liberdade, da razão e dos direitos humanos”. No momento em que, segundo os signatários, “a democracia duramente construída no país pode outra vez perecer”, entenderam ser necessário unificar-se em defesa do regime democrático.

Aberto à assinatura pública a partir de hoje, o documento foi lançado com quase quinhentos nomes, entre eles a de acadêmicos conhecidos por suas diferenças. Estão na lista inicial os historiadores Boris Fausto, Fernando Novais, Laura Mello e Souza e Luiz Felipe de Alencastro, os juristas Conrado Hubner Mendes, Dalmo Dallari, Fábio Comparato, Gilberto Bercovici, José Gregori e Pedro Dallari, os economistas Laura Carvalho, Leda Paulani, Lena Lavinas, Luiz Carlos Bresser-Pereira, Luiz Gonzaga Belluzzo, Paulo Furquim de Azevedo, Pedro Rossi e Fernando Rugitsky, os filósofos José Arthur Giannotti, Marilena Chauí, Marcos Nobre, Paulo Arantes, Ruy Fausto e Vladimir Safatle, os sociólogos Brasilio Sallum Jr, Gabriel Cohn e Maria Arminda do Nascimento Arruda, o crítico literário Roberto Schwarz, as arquitetas Ana Lanna, Ermínia Maricato e Raquel Rolnik, as antropólogas Alba Zaluar, Lilia Schwarcz e Manuela Carneiro da Cunha, os jornalistas Eugênio Bucci e Carlos Eduardo Lins da Silva, a educadora Lisete Arelaro e os cientistas políticos Cláudio Couto, Elizabeth Balbachevsky, Maria Hermínia Tavares de Almeida, Maria Victoria Benevides, Paulo Sérgio Pinheiro, Leonardo Avritzer, Luis Felipe Miguel e André Singer.

Afirmando que “o processo eleitoral em curso trouxe à tona fantasmas do passado, palavras simpáticas a torturadores, sugestões de uso da violência contra adversários políticos e cogitações de golpe” pela chapa que terminou o primeiro turno em primeiro lugar, os signatários dizem que “a democracia, o livre pensar, a autonomia do ensino, são cláusulas pétreas”, das quais não abrirão mão.

Para assinar acesse o link

Assembléia Geral Ordinária 2018

A Associação Brasileira de História das Religiões agradece a participação de todxs xs presentes no 3° Simpósio Internacional/ 16°Simpósio Nacional da ABHR: Política, Religião e Diversidade :Educação e Espaço Público.

No dia dos professores(as) as 9:30, na sala Laranjeira, no Centro de Cultura e Eventos (UFSC), realizou-se a Assembléia Geral Ordinária. Em breve disponibilizaremos a Ata em nosso sítio.