Nota de falecimento Pe. Comblin

Pe. Comblin chega ao Brasil, vindo da Bélgica, em 1958. Conciliou o magistério teológico (cria diversos cursos e seminários) e a inserção no meio do Povo de Deus: operários (foi assessor da JOC), dos campesinos (criou a Teologia da Enxada), os indígenas (trabalhou com Dom Leônidas Proaño, Equador) e as comunidades eclesiais de base, morrendo em pleno momento frutífero de trabalho, em Pedro Simões, Bahia, hoje, 27 de março de 2011.  Vivia uma vida simples e inserida no meio do povo. Brasil, Chile, Equador, Bélgica, contaram com sua presença, sabedoria e criatividade em ensinar e comprometer as pessoas com o Reino de Deus e sua libertação. Expulso do Brasil, por ajudar Dom Hélder em Olinda, em 1972, vai para o Chile, com a mesma disposição e projetos. Também é expulso desse país por força do golpe militar de Pinochet. Volta ao Brasil e, ao lado de Dom José Maria Pires, em João Pessoa, cria o Seminário Rural, como havia desenvolvido na experiência chilena.  Nos últimos tempos estava em Barra, Bahia, morando com outro bispo profeta – Dom Luiz Cappio. Sua vida e sua causa sempre buscaram testemunhar Jesus Cristo no meio dos pobres, lutando incansavelmente pela libertação de todos. Sua produção teológica é imensa: Cristologia, Eclesiologia, Antropologia, Teologia da Libertação, Pastoral, Concílio Vaticano II, História da Igreja, Bíblia, questões teológicas contemporâneas como neoliberalismo, as cidades, a pobreza, a segurança nacional…  Uma grande riqueza que não se dirigia apenas aos fiéis, mas era crítico contumaz da própria igreja e dos caminhos que ela tem percorrido nos últimos anos. Seu legado é sementeira ressuscitada que continuará a produzir muitos novos frutos. Seu sepultamento acontecerá no dia 28 de março ewm Santa Fé, no município de Araras – PB. Nesse povoado, que pertence ao município de Solânea fica o Santuário do Padre Ibiapina.

Paulo Agostinho N. Baptista

Maurício de Aquino lança o livro “História e Devoção”

Em História e Devoção (Edusc, 2011) o historiador Maurício de Aquino, professor da Universidade Estadual do Norte do Paraná, campus Jacarezinho, e sócio da ABHR, reconstrói a partir das mais variadas fontes que vão desde encíclicas papais a broches com imagem de santa, a história do culto a Nossa Senhora Aparecida do Vagão Queimado de Ourinhos-SP, entre os anos de 1954 e 2004. Enredada à história do catolicismo no Brasil, essa devoção ourinhense desenvolveu-se de mãos dadas com a “devoção nacional” a Nossa Senhora Aparecida em ritmo ditado pela Igreja Católica local em articulação com as mais amplas mudanças sociais e eclesiásticas do período. “Embalado num vernáculo escorreito e estiloso, ao mesmo tempo denso e leve”, conforme prefácio escrito pelo historiador José Jobson de Andrade Arruda, o livro desloca perspectivas ao problematizar as práticas religiosas em busca de novas entradas para o entendimento de aspectos importantes das realidades socioculturais. O livro resultou de pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em História e Sociedade, linha de pesquisa “religiões e visões de mundo”, da UNESP/Assis, sob a orientação do saudoso mestre o prof. Dr. Eduardo Basto de Albuquerque.

Para adquirir:

EDUSC

http://www.usc.br/noticias/noticia.php?area=1&noticia=241

LIVRARIA CULTURA

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/busca/busca.asp?parceiro=IRXTXT&nautor=1510416&refino=1&sid=0020118481321860558556981&k5=30791E56&uid=

Defesa de tese doutoral de Tiago Watanabe

O nosso colega Tiago Watanabe defedeu sua tese de doutoramento em História no dia 24 de fevereiro de 2011, na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP/Assis. O título do trabalho é:”Escritos nas fronteiras: os livros de história do protestantismo brasileiro (1928 – 1982)”. A ABHR recomenda a leitura do trabalho!