Lançamento: “Medicina e espiritualidade no campo da saúde”

Título: Medicina e espiritualidade no campo da saúde

Autor: Prof. Dr.  Rodolfo Puttini (UNESP)

Editora: Annablume

Ano: 2012

Sobre: “Como se caracterizam certas instituições no campo da saúde, especificamente hospitais psiquiátricos administrados por religiosos do espiritismo, que utilizam em seu interior terapias espirituais sem serem enquadradas ao Código Penal brasileiro pelo crime de curandeirismo? Como se caracterizam esses hospitais espíritas no atual contexto do Sistema Único de Saúde brasileiro (SUS)? Essas questões são investigadas por Rodolfo Puttini ao longo deste estudo com intuito de produzir um olhar crítico sobre as questões de saúde pública e religiosidade no Brasil. Por outro lado, o livro pretende contribuir para a definição de campo da saúde, partindo de uma orientação pistemológica, cujo pensamento crítico do autor apresenta o problema das práticas de cura não médicas inseridas no campo de conhecimento da Saúde Coletiva”.

Fonte: http://www.annablume.com.br/comercio/product_info.php?products_id=1680&PHPSESSID=ne73eqdflnhna82imlodi5mfs2

 

Mais informações sobre o lançamento no dia 23/05/2012: http://fmb.unesp.br/#N,42

Lançamento: “Que papo é esse? Igreja católica, movimentos populares e política no Brasil (1974-1985)”

Título: Que papo é esse? Igreja católica, movimentos populares e política no Brasil (1974-1985)

Autor: Prof. Dr. Iraneidson Costa (UFBA)

Editora: UEFS

Ano: 2011

 

Sobre a obra

“Originalmente tese de doutorado defendida na UFBA em 2007, este é um estudo pioneiro da relação de intelectuais católicos — sobretudo jesuítas integrantes da chamada Pastoral Popular — com as classes populares em seus diversos espaços, nos últimos dez anos da ditadura militar no Brasil. O foco do trabalho são as ideias e projetos desses intelectuais, explorados a partir de um universo extenso e variado de fontes por eles produzidas, que inclui relatórios, boletins, correspondência, pontamentos de reuniões, artigos e livros. São também muito ricas a documentação e discussão sobre o contexto mais amplo, compreendendo processos gerais da história social e política brasileira, a trajetória das Igrejas, em especial da Igreja Católica, e o percurso da Companhia de Jesus antes e durante o período estudado, notadamente no que respeita ao compromisso com os oprimidos. O autor examina, na sua própria formulação, “os avanços, as dobradas de esquina, as meias voltas, os retrocessos”. Faz uma análise lúcida, fundada em grande erudição sobre o assunto, e num diálogo pertinente com conceitos e enfoques. Este é o caso da concepção de Gramsci de intelectual como “organizador da cultura” e vinculado à estrutura concreta de classes, sob a forma de intelectual “orgânico”; e da abordagem estrutural e histórica, de Marshall Sahlins. Entre as qualidades que mais se destacam no conjunto de méritos do livro está sua primorosa narrativa. Num argumento muito bem estruturado, Iraneidson Costa articula diferentes planos — relativos à interação da Igreja Católica como um todo, da latinoamericana e da brasileira com os movimentos populares, focalizando os jesuítas; e às tensões e imbricações entre cristianismo e marxismo, fé e política, como ideário e como prática. Resultado de pesquisa inovadora e interpretação inteligente, o livro é uma contribuição importante para se compreender um período que marcou decisivamente a trajetória política do país, em particular a democracia que hoje experimentamos. É leitura que ilumina o entendimento da história social brasileira contemporânea.” Por Profª Lígia Bellini (Universidade Federal da Bahia).