Nota da ABHR de repúdio à Escola Sem Partido

NOTA DE REPÚDIO DA ABHR À ESCOLA SEM PARTIDO

A Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR), concordando com Nota de Repúdio da Nota da abhr em repudio a escola sem partido 5Associação Nacional de História (ANPUH), apresenta seu veemente repúdio ao movimento doutrinário que se auto-intitula Escola Sem Partido, e que tem promovido perseguições ideológicas e repressões violentas a professoras e professores Brasil afora.

Destacamos aqui, dentre diversos casos, a recente persecução à Marlene de Fáveri, professora de História da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), que tem sido acusada, através de processo promovido por ex-mestranda apoiada pela Escola Sem Partido, de supostas “cristofobia” e “ideologia de gênero”, termos utilizados de modo
falacioso pela Escola Sem Partido.

Apurando cuidadosamente as devidas informações acerca do caso em tela, a ABHR se posiciona contra tal processo, compreendendo as falácias e incongruências contidas nos argumentos apresentados, e se solidariza com a professora Marlene de Fáveri.

A ABHR, associação acadêmico-científica não-confessional, expressa sua posição de apoio e estímulo ao respeito às diversidades de concepções e expressões – dentro de limites e responsabilidades cidadãs, democráticas e constitucionais – e de compreensão da necessidade do desenvolvimento do pensamento crítico dentro e fora de ambientes escolares e acadêmicos.

A ABHR é contrária ao projeto da Escola Sem Partido, que se apresenta como Escola Com Mordaça e Escola Com Censura. O conhecimento deve se desenvolver pautado nos direitos cidadãos e humanos, na informação e na educação fundamentadas em diálogos e em debates respeitosos, e não na supressão de direitos, em acossamentos e em repressões.

Contra a censura e a perseguição ideológica, e sempre favoravelmente ao ensino democrático e respeitoso,

Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR)
Florianópolis, 27 de março de 2017
#ABHRPelaDemocracia
#SomosMarleneDeFáveri