PLURA, Revista de Estudos de Religião / PLURA, Journal for the Study of Religion, Vol. 7, No 2, jul-dez (2016)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A antropologia teocêntrica de Sto. Agostinho no De Trinitate / The theocentric anthropology of Saint Augustine in De Trinitate

Nilo César Batista Silva

Resumo


O presente trabalho visa investigar o problema da interioridade da alma como critério de experiência mística na Obra De Trinitate (416) de Sto. Agostinho. O nosso intento, antes de qualquer tentativa para uma definição dogmática de mística, será encontrar no pensamento agostinano as vertentes para a formulação de um conceito que se faça relevante pela sua transversalidade com a antropologia, a ontologia e a metafísica, isto é, um conceito de mística especulativa não apenas como espaço para revelação divina, mas também como exercitatio do espírito filosófico em abertura para a transcendência. Durante a nossa reflexão apresentaremos dois destaques presentes na obra de Agostinho que foram os acontecimentos históricos do cristianismo, os quais nortearam o pensamento teológico trinitário no século IV, a saber, os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381) que marcaram profundamente o pensamento de Agostinho sobre a Trindade. Em um segundo momento, abordaremos a fundamentação filosófica e antropológica com a qual o filósofo de Hipona se apropria do tema da analogia da imago Dei, considerando-se, então, a mais rica contribuição de Agostinho à reflexão trinitária e à mística cristã.

Texto Completo: PDF